Pegada Ecológica: possibilidades e limitações a partir de sua aplicação para a cidade do Salvador - Ba

Ano:
2008
Palavras chave:
Pegada Ecológica; Sustentabilidade;
Resumo:
A apropriação do espaço e dos recursos naturais de forma indiscriminada e sem limites, caracterizando o padrão de desenvolvimento global como insustentável, têm contribuído para que a temática ambiental esteja cada vez mais presente nas discussões acerca do desenvolvimento da humanidade. Nesse contexto, as cidades têm sido cada vez mais percebidas como a chave para a sustentabilidade global face à sua elevada demanda pelos recursos naturais, emissão de poluentes, taxa de ocupação e demais aspectos sociais, econômicos e ecológicos relacionados à sua dinâmica urbana. Portanto, a gestão pública tem o papel de buscar os mecanismos para propiciar uma maior qualidade de vida na cidade adotando indicadores capazes de sinalizar o desempenho ambiental urbano, ou seja, o seu grau de sustentabilidade. Muitos indicadores já são utilizados, no entanto, o desafio é determinar se esses indicadores são eficientes para gerar a resposta que se busca: o grau de sustentabilidade urbana. Visando suprir a demanda por indicadores ecológicos é que foi criada a Pegada Ecológica – PE no Canadá, no início dos anos 90, pelos pesquisadores William Rees e Mathis Wackernagel. Esse indicador compara o consumo dos recursos naturais com a capacidade de suporte da natureza para produzi-los e para assimilar os resíduos gerados pelo consumo, sinalizando quanto ao grau de sustentabilidade do ecossistema em questão. A PE é muito difundida internacionalmente, mas no Brasil, quando das primeiras leituras sobre o método, em 2005, foi constatada uma aplicação incipiente e frágil que se justificava por tratar-se de um indicador relativamente novo, de origem estrangeira e, portanto, ainda necessitando de estudos mais aprofundados para uma melhor compreensão desta ferramenta e adaptações necessárias à realidade local. Dessa forma, a pesquisa foi desenvolvida com base na seguinte questão motivadora: Quais as possibilidades e limitações da PE enquanto indicador de sustentabilidade? A cidade do Salvador – BA foi adotada para a aplicação do método sendo consideradas duas metodologias de cálculo: produtividade local e método da nação. De posse dos valores das pegadas parcelares obtidas para Salvador, foi realizada uma análise comparativa desses resultados com outros obtidos por pesquisadores no Brasil. Como resultados foram observados as possibilidades e limitações do método, assim como a realidade brasileira para a sua aplicação que passa basicamente pela necessidade de melhor gestão da informação e investimentos em pesquisas para o levantamento de dados que retratem as particularidades nacionais, tais como: taxas de emissão e de absorção de carbono. Também, é necessário o desenvolvimento de uma nova forma de gestão urbana baseada na visão ampliada do meio ambiente.