AN LISE INTEGRADA DOS MÉTODOS GPR E ELETRORRESISTIVIDADE EM TERRENOS CARBON TICOS NA MICRORREGIÃO DE IREC - UIBAÍ, BAHIA

Ano: 
2016
Orientador: 
Co-orientador: 
Resumo: 
Os métodos geofísicos ocupam, hoje, lugar de destaque nas áreas de Engenharia Civil, de Geotecnia Ambiental e Geologia, auxiliando na detecção das condições físico-mecânicas do subsolo e proporcionando parâmetros importantes na avaliação do ambiente. Testes de geofísica rasa possibilitam avaliar grandes áreas em curto período de tempo, ademais, eles não são destrutivos e, economicamente, tem um custo-benefício favorável e devem ser usados para aumentar a segurança e a qualidade das investigações. Entre os métodos geofísicos, o Ground Penetrating Radar (GPR), em especial, tem sido aplicado na caracterização de Bacias hidrográficas, na detecção de cavernas, vazios e estruturas de dissoluções, enquanto a Eletrorresistividade é o método mais utilizado para a detecção de aquíferos. Porém, o uso combinado dessas técnicas para detecção de aquíferos carbonáticos ainda é pouco testado. A microrregião de Irecê compõe-se de rochas da Era Neoproterozoíca (600 milhões de anos), do Grupo Una, constituído, principalmente, por rochas carbonáticas da Formação Salitre. Este trabalho tem como principal objetivo detectar estruturas cárstiscas, fraturas e falhas através de perfis geofísicos, com o método GPR e comparar o resultado desses perfis com os perfis de Eletrorresistividade (ER) originários de estudos anteriormente realizados nessa área. A metodologia consistiu em realizar perfis de GPR, com antenas de 200 e 25 MHz. Além dos perfis levantados, foram agregadas, como complemento, as informações obtidas do levantamento geológico e as informações decorrentes dos processos de abertura de poços realizados no entorno da área de estudo. Os perfis ER obtiveram um melhor desempenho do que os perfis GPR em toda área, indepentende da espessura do solo e da condutividade da subsuperfície. Eles tiveram um alcance de profundidade entre 80m e 160m, enquanto que o GPR alcançou entre 15m a 50m. O GPR agregou aos perfis ER, o detalhamento lito-estrutural além de confirmar as principais direções de fraturamento da área, NE-SW, N-S, NW-SE observadas no levantamento geológico. O uso combinado das duas técnicas complementa as informações, além detalhar e confirmar a presença de estruturas favoráveis à presença de aquíferos
Palavras chave: 
Eletrorresistividade;
GPR;
Hidrologia cárstica.