Impactos do Sistema de Transporte Público Urbano de Passageiros na Acessibilidade da População Residente em Encostas: O Caso do Alto do Cruzeiro - Salvador / Bahia

Ano:
2005
Banca Examinadora:
Ilce Marilia Dantas Pinto ;
Palavras chave:
acessibilidade; segregação; planejamento urbano; planejamento de transportes; encosta;
Resumo:
A ausência de um modelo de planejamento e operação adequados para a circulação e ocupação das áreas de encostas no município de Salvador, acarretou uma oferta paralela de atendimento de transporte no sistema vale-cumeada, ampliando os custos com o transporte e o tempo de acesso aos locais de destino dessa população. Este trabalho alerta para a necessidade de dotar as encostas de infraestrutura urbana que priorize a acessibilidade dessa população à rede de transporte coletivo urbano, minimizando as desigualdades existentes entre a oferta de serviços de transporte no vale e na cumeada. Para tal foram avaliados os impactos negativos decorrentes da operação do Sistema de Transporte Coletivo Público Urbano de Passageiros na acessibilidade da população residente em encostas, onde analisou-se mais especificamente a qualidade da microacessibilidade (tempo de caminhada do local de origem de viagem até o local de embarque, tempo de espera no local de embarque e tempo de caminhada do local de desembarque até o destino final), caracterizou-se a comodidade nos percursos a pé baseados na distância e na declividade dos acessos e analisou-se a qualidade da macroacesibilidade (tempo de viagem dentro do veículo, fluidez do sistema viário e o número de destinos alcançados). O método utilizado para obtenção dos resultados foi a aplicação de Pesquisa Origem e Destino Domiciliar e Entrevista em Pontos de Parada, onde obteve-se dados sócioeconômicos e de transporte, além de pesquisas complementares de Contagem de Embarque de Passageiros em Ponto de Parada de Ônibus, de Tempo de Caminhada Casa-Ponto de Embarque e de Tempo de Viagem Dentro do Ônibus. Para a análise dos resultados agruparam-se os logradouros utilizando-se como critério a localização dos pontos de parada, os destinos de viagem e a topografia da área. Em seguida definiu-se as variáveis explicativas e os indicadores de acessibilidade para a micro e a macroacessibilidade. A área de estudo considerada para aplicação da metodologia foi a localidade do Alto do Cruzeiro na cidade do Salvador, situada em uma cota de 50 metros em relação a avenida Bonocô, com declividades viárias variando de 15 a 62%. Os resultados mostraram que a escolha do usuário pelo sistema vale ou cumeada varia conforme a localização do ponto de embarque, da declividade da via de acesso e da disponibilidade de linhas para o destino desejado e que o sistema de vale é mais acessível que o sistema de cumeada.