DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA NA ESCALA DE BAIRRO

Ano:
2017
Palavras chave:
Bairro. ; Diretrizes. ; Escala Local. ; Plano de Mobilidade Sustentável. ; Princípios.;
Resumo:
Esta dissertação tem como finalidade desenvolver uma proposta metodológica para elaboração de planos de mobilidade urbana sustentável na escala de bairro, buscando Identificar e avaliar princípios associados ao planejamento da cidade e das suas redes de transporte na escala de bairro com foco na sustentabilidade, bem como Identificar e avaliar diretrizes que possa subsidiar o desenvolvimento de planos de mobilidade urbana nesta escala para atender as suas particularidades de transporte e uso do solo. Na questão do problema desta dissertação, considera-se que não se encontra metodologia para elaborar planos de mobilidade na escala local e não existe legislação que obrigue os municípios realizarem planos de mobilidade nesta escala, assim como ocorre para as cidades com diferentes números de habitantes. Além disto, os bairros são heterogêneos e diferentes nas suas características geográficas, sociais, tecnológicas, econômicas e culturais, assim como as próprias cidades, havendo assim a necessidade de intervenção na mobilidade do bairro e sua vizinhança, associado à mobilidade da cidade. A proposta metodológica foi realizada visando atingir os objetivos e teve como fundamento a revisão de literatura que foi desenvolvida a partir de um estudo exploratório de bibliografia específica sobre os temas relacionados aos planos de mobilidade urbana para bairros. Atualmente é um desafio elaborar um plano de mobilidade na escala de bairro e promover acessibilidade sob o foco das características específicas de cada local. No Brasil, os planos de mobilidade urbana que vem sendo elaborados seguem o modelo tradicional que é geral para as cidades, o que contribui para o agravamento dos impactos na acessibilidade dos bairros, especialmente para os pedestres e ciclistas. Esses impactos podem ser de aspectos sociais, econômicos, ambientais e ergonômicos. Outros desafios são promover acessibilidade com equidade, reduzir os impactos socieconômicos e ergonômicos, elevar a qualidade de vida, saúde e segurança dos moradores dos bairros. Como cada local possui características distintas e esta situação induz a pensar em soluções que correspondam ao perfil de cada um deles, considerando as características geográficas, sociais, tecnológicas, econômicos, dentre outras, visando à mobilidade sustentável, priorizando os transportes públicos e não motorizados. Um planejamento, focando nestes elementos, contribui para promover melhor acessibilidade nos bairros e superar os impactos negativos gerados pelos condicionantes da mobilidade urbana.