Contribuições para a Integração dos Sistemas de Gestão Ambiental, de Segurança e Saúde do trabalho e de Qualidade em Pequena e Média Empresa de Construção Civil

Ano:
2005
Palavras chave:
Resumo:
Com o desenvolvimento deste trabalho procurou-se conhecer as limitações do setor da indústria da construção civil em relação à integração de sistemas de gestão. Esta pesquisa, de natureza qualitativa, teve como objetivo geral apresentar diretrizes para a integração de Sistemas de Gestão Ambiental, de segurança e saúde do trabalho e da qualidade de pequenas e médias empresas de construção civil, pautada na questão problema: como integrar sistemas de gestão em pequenas e médias empresas da construção civil? Como forma de aproximação aos objetivos do problema, inicialmente foi realizada uma pesquisa de campo através de questionários aplicados às empresas de grande porte de vários ramos de atividade que implantaram o sistema integrado de gestão. Foi apresentada uma proposta para a implantação de sistemas de gestão integrada em pequenas e médias empresas da construção civil, na qual são descritas todas as etapas do método de implantação. A implantação parcial desta proposta em uma pequena empresa na cidade de Salvador evidenciou facilidades e dificuldades. Dentre as facilidades cita-se a motivação dos empregados. Como dificuldades destaca-se a sazonalidade das dificuldades e consequentes dificuldades financeiras. Em função desta implementação parcial, foi desenvolvida uma segunda pesquisa, através de formulários, em empresas de pequeno e médio porte da construção civil da cidade de salvador, com o objetivo de avaliar a proposta de integração, bem como a percepção das empresas em relação aos sistemas integrados de gestão. As poucas alterações sugeridas pelas empresas permitiram a avaliação de que a proposta atende às necessidades e peculiaridades desse segmento da construção civil. Conclui-se que as limitações financeiras e a ausência de legislação que obrigue a implantar um sistema de gestão integrado, bem como a falta de exigência dos órgãos financiadores desestimula o cumprimento de procedimentos que visem à melhoria da qualidade de produtos e serviços, bem como a preservação do meio ambiente e da segurança e saúde no trabalho e, deste modo, desabilitam-nas à competitividade mercadológica e limitam a sua expansão e desenvolvimento globalizado.