Comportamento da taxa de Poropressão específica de Solos em Processo de Ruptura – Análise de Ensaios Triaxiais não Drenados

Ano:
2004
Palavras chave:
Poropressão; Pressão neutra; Ruptura de solos; Ensaio triaxial;
Resumo:
O presente trabalho propõe-se a um estudo do comportamento da Taxa de Poropressão Específica nas proximidades da região de plastificação, sob velocidade de deformação constante, em solos pré-adensados e normalmente adensados, ao longo de um processo de cisalhamento em laboratório, com o intuito de melhor conhecer esse novo parâmetro, que poderá dar suporte a novas linhas de pesquisas que venham a contribuir com a teoria de ruptura de solos. Para tanto, coletaram-se amostras de solo argiloso submerso e realizaram-se ensaios triaxiais tipo CIU, com medida de pressão neutra, dos quais se analisaram os resultados de dois ensaios normalmente adensados e três sobreadensados. Os ensaios sobreadensados tiveram os correspondentes corpos de prova rompidos com diferentes valores de OCR, a fim de se analisar, também, a sua influência sobre o comportamento da Taxa de Poropressão Específica. Após as análises dos resultados, observou-se que a Taxa de Poropressão Específica, quando do início do carregamento axial, apresenta um valor diferente de zero e logo em seguida busca um equilíbrio em torno de uma taxa de valor constante, próximo ou igual à zero. A curva de desenvolvimento da Taxa de Poropressão Específica ao longo da deformação axial específica permite definir o ponto de escoamento do mesmo quando esse ponto não pode ser definido pelo comportamento da tensão desviatória ao longo da deformação axial específica. Enfim, foram analisadas duas regiões: a de ruptura e a de plastificação. Na primeira nada se encontrou de relevante, e, na segunda, conseguiu-se determinar, claramente, o ponto de plastificação. O presente trabalho sugere um aprofundamento dessas análises, buscando uma formulação matemática capaz de uma definição precisa dos valores correspondentes à zona de plastificação.