AVALIAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DE FACHADAS – ESTUDO DE CASO EM SALVADOR/BA

Ano:
2018
Palavras chave:
Manifestação patológica.; Fachadas. ; Degradação.;
Resumo:
O nível de desempenho apresentado por fachadas de diversas edificações no Brasil, especialmente as situadas em áreas litorâneas, submetidas à agressividade do meio ao qual estão inseridas, tem exigido maior atenção entre os profissionais ligados ao setor da construção civil. As edificações, durante toda a sua vida útil, devem ser capazes de atender às exigências de desempenho, porém, tem ocorrido, cada vez mais precocemente, a deterioração das fachadas, principalmente, por estarem diretamente expostas à diversos agentes de degradação e pela carência de eficientes manutenções preventivas e corretivas nos revestimentos externos. Problemas referentes aos sistemas de revestimentos de fachadas têm gerado preocupações por parte dos usuários, no que se refere ao desempenho, elevados custos de reparos e inúmeros casos judiciais entre construtores e consumidores. Desta forma, o objetivo deste trabalho é quantificar a degradação de fachadas de 6 edificações residenciais localizadas em Salvador/BA, com idade até 40 anos e constituído de acabamentos distintos. A metodologia aplicada foi baseada no estudo de caso de 6 (seis) edificações, sendo três com acabamento em pintura e três com acabamento cerâmico, com a realização de inspeções visuais, mapeamento, quantificação das manifestações patológicas, cálculo do fator de dano, seguido da verificação das áreas das fachadas de maior incidência. No presente trabalho, as patologias identificadas foram: fissuras, manchamentos, desagregação, pintura-descolamento, eflorescência e desplacamento. A região tipo de sacadas apresentou a maior incidência de danos e o manchamento foi a patologia mais frequente, dentre os observados. No presente estudo não foi possível estabelecer relações entre a orientação cardeal das fachadas, a idade, a proximidade ao mar, e a quantidade de danos.