AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO DO IQA-CCME NA DIVULGAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. ESTUDO DE CASO: BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JOANES.

Ano:
2014
Palavras chave:
Água Superficial;; Monitoramento; ; IQA-CCME.;
Resumo:
Este trabalho avalia a aplicação do índice de qualidade da água, o IQA-CCME, desenvolvido pelo Canadian Council of Ministers of the Environment – CCME, para determinar a qualidade da água da bacia do rio Joanes, em comparação ao método consagrado no Brasil e em uso desde os anos 70, o Índice de Qualidade de Água (IQA-CETESB). A bacia do rio Joanes, localizada na Região de Planejamento e Gestão das Águas (RPGA) do Recôncavo Norte e Inhambupe, foi monitorada no período de 2008 a 2011 no âmbito do Programa Monitora, que se propõe estudar a evolução espacial e temporal da qualidade das águas de bacias hidrográficas do Estado para os diferentes usos, apresentando os resultados da qualidade da água ao público através de índices, tais como: Índice de Qualidade de Água (IQA-CETESB); Índice de Qualidade da Água Bruta para Fins de Abastecimento Público (IAP); Índice de Contaminação por Tóxicos (CT) e Índice do Estado Trófico (IET). Na avaliação da qualidade das águas da bacia do rio Joanes, analisou-se vários parâmetros indicadores das características: física; química e biológica, perfazendo, em média, 50 parâmetros por campanha. Uma das características de todos os índices utilizados pelo Programa Monitora é a quantidade limitada de parâmetros que são utilizados. Do total de 85 parâmetros monitorados, somente 30 foram utilizados na avaliação da qualidade através dos índices, sugerindo alguma perda de informação sobre a qualidade da água. O IQA-CCME, por outro lado, pode utilizar todos os parâmetros com padrão de referência estabelecido, que foram efetivamente medidos para se definir a qualidade do corpo hídrico. A metodologia do IQA-CCME é um procedimento estatístico que exige a execução de, no mínimo, quatro campanhas, e avaliação de pelo menos, quatro parâmetros. Portanto, o método, originalmente, não permite a avaliação de qualidade das águas de um rio ao se executar somente uma campanha, monitorando os quatros parâmetros uma única vez, o que pode representar uma limitação prática. Objetivando superar esta limitação, este trabalho apresentou nova proposta de agregação, substituindo as quatro campanhas, por um mínimo de quatro pontos de monitoramento compondo trechos na bacia hidrográfica do rio Joanes, para análise da qualidade da água por campanha. Assim sendo, foi possível utilizar os dados secundários do "Programa Monitora” sem perda significativa de informações obtidas, e sem a exigência da realização de um mínimo de quatro campanhas de monitoramento para aplicação do índice. Apesar da determinação de um número mínimo de parâmetros e campanhas a metodologia do IQA-CCME não impõe restrição quanto ao número máximo ou quais parâmetros devem ser analisados. Assim sendo, pode contribuir para maior eficiência no planejamento do monitoramento de um corpo hídrico, com aplicabilidade para diferentes objetivos de monitoramento em atendimento a diferentes classes de uso da água, e, consequente redução de custos. Os resultados deste trabalho confirmam a vantagem da maior flexibilidade na aplicação do IQA-CCME, devido à não restrição quanto ao tipo de parâmetro; uma maior abrangência pela incorporação de mais parâmetros; e uma maior eficiência para divulgação da informação de qualidade de água, por ser possível utilizar os resultados dos fatores F1, F2, F3 para fornecer mais informações quanto às condições de qualidade de um corpo d’água. O IQA-CCME apresenta-se mais restritivo quanto as notas de qualidade devido à escala de notas utilizada, dando, entretanto, maior segurança ao usuário da água.