ANÁLISE ESPACIAL DAS CONDIÇÕES DE DESLOCAMENTO DO PEDESTRE NA INTEGRAÇÃO COM O TRANSPORTE PÚBLICO Salvador

Ano: 
2011
Autor: 
Orientador: 
Resumo: 
Mesmo considerados como integrantes do sistema de circulação urbana e elementos importantes na definição dos princípios norteadores da mobilidade sustentável nas cidades, os modos de transportes não motorizados (NM) foram historicamente relegados à segundo plano pelo planejamento urbano, incluindo os deslocamentos que conduzem ao acesso direto (microacessibilidade) ao transporte público regular. Neste contexto a presente pesquisa visa analisar as condições de microacessibilidade através da avaliação físico-espacial da rede de transporte NM integrada às estações de transporte público. A construção do referencial bibliográfico permitiu a identificação de 10 (dez) fatores e 26 (vinte e seis) indicadores potenciais a serem considerados em percursos realizados a pé e de bicicleta. A ponderação destes fatores e priorização de seus respectivos indicadores de acordo com a percepção de especialistas e dos usuários do transporte público foi determinante para a organização hierárquica e identificação daqueles mais relevantes. A região que abrange a Estação da Lapa, localizada no Centro Tradicional da cidade do Salvador-BA foi eleita como área de estudo, onde foram realizadas medições relativas ao nível de serviço das vias utilizadas para o acesso à estação. As avaliações conduziram a construção de mapas que representaram o nível de serviço de cada fator avaliado em toda a rede. Fazendo uso da técnica de geoprocessamento denominada álgebra de mapas foi realizada a sobreposição e combinação destes fatores, o qual deu origem a um mapa síntese permitindo observar que o nível de serviço oferecido pela rede NM existente na região é predominantemente regular. Foram identificados alguns trechos críticos que obtiveram classificação ruim, considerados como os pontos de maior impacto negativo para os usuários do transporte público e pedestres em geral. A conclusão que se chega é de que a rede NM que abrange a área de estudo não pode ser considerada favorável para a integração com a estação de transporte público em estudo, constituindo-se em uma condicionante espacial estrutural para a implementação futura de políticas de mobilidade sustentável. As políticas públicas dirigidas à promoção dos modos de transportes sustentáveis deverão considerar principalmente as barreiras configuradas pela microacessibilidade, principalmente nas regiões próximas às estações de integração modal.
Palavras chave: 
Transportes não motorizados
Circulação urbana
Mobilidade sustentável
Microacessibilidade