Apresentação de Projeto de Pesquisa: Utilização do Índice de Qualidade das Águas IQA-CCME para Avaliação do Monitoramento em Bacia Hidrográfica. Estudo de Caso: Bacia Hidrográfica Joanes Ipitanga, Estado da Bahia

Local:
Sala de Reunião do Dep. Engenharia Ambiental - Reservada

Data :
12/20/2012 - 14:00

Resumo:

O Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) do Estado da Bahia desenvolveu o “Programa Monitora” com o fim de avaliar a evolução espacial e temporal da qualidade das águas de bacias hidrográficas do Estado, para os diferentes usos. No âmbito da Região de Planejamento Gestão das Águas (RPGA) do Recôncavo Norte, foi avaliado a qualidade das águas da bacia dos rios Joanes e Ipitanga. A coleta e análise das amostras foram realizadas pela Área de Meio Ambiente (AMA) do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/CETIND) da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB). Para avaliação da qualidade da água foram analisados vários parâmetros indicadores das características físico-químicas; nutrientes parâmetros biológicos; orgânicos; metais e pesticidas, perfazendo, em média, cinquenta parâmetros.

Para apresentação dos resultados da qualidade da água ao público leigo, o Programa Monitora utilizou índices de qualidade de uso consagrado no Brasil, tais como: Índice de Qualidade de Água (IQA-CETESB), Índice de Qualidade de Água (IAP), Índice de Contaminação por Tóxicos (CT) e Índice do Estado Trófico (IET). Os índices visam facilitar a compreensão do público em geral, sobre o estado do corpo d’água monitorado, através da agregação de vários parâmetros ou indicadores em um único resultado, representado pelo respectivo índice. Uma das características de todos os índices utilizados pelo programa Monitora é a quantidade limitada de parâmetros que são agregados para constituir o índice. Sendo 9, o número máximo agregado pelo IQA-CETESB; 11 parâmetros agregados pelo IAP; 2 pelo IET, sendo que neste, um parâmetro, o fósforo, é também utilizado no IQA. Dos 15 parâmetros agregados pelo CT, um deles é também utilizado no IQA e, outros 7, no IAP. Sendo assim, 50 parâmetros são monitorados e somente 28 são utilizados na avaliação da qualidade através dos índices. Portanto, este fato representa uma perda de informação sobre a qualidade da água a ser informada ao grande, tornando-se como uma limitação e rigidez do índice numérico.

O IQA CCME, um método de avaliação da qualidade da água desenvolvido pelo Canadian Council of Ministers of the Environment, surge como uma nova proposta de agregação, que parece superior, pois permite que o índice aplicado ao monitoramento possa agregar todos os parâmetros que foram efetivamente medidos e julgados necessários para se definir a qualidade do corpo hídrico. Portanto, este trabalho pretende utilizar este método de cálculo no intuito de comparar este procedimento com os outros índices já utilizados pelo “Programa Monitora”; bem como avaliar o plano de monitoramento executado, face ao uso de solo da bacia do rio Joanes e Ipitanga.

Por conta da flexibilidade da metodologia do IQA-CCME, pois não impõe restrição quanto ao número ou, quais parâmetros físico-químicos devem ser medidos, é provável que esta metodologia venha a contribuir para maior eficiência no planejamento do monitoramento de um corpo hídrico, com consequente redução de gastos. A pesquisa deverá ser executada nos próximos 12 meses, e utilizará dados secundários de monitoramento a serem cedidos, sem custos pela AMA – SENAI/CETIND.