Apresentação de Projeto de Pesquisa: AS TÉCNICAS DE FOTOINTERPRETAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE AMBIENTAL URBANA, ESTUDO DE CASO: ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DAS LAGOAS E DUNAS DO ABAETÉ

Local:
Politécnica - 6º andar - sala 6. 03.05

Data :
12/14/2010 - 16:30

Resumo:

O espaço social pode ser visto como fruto das relações sociais incluindo-se aí, além da transformação material pelo processo de trabalho, a territorialização e urbanização através de projeções de poder e a atribuição de significados culturais. Desta forma, a cidade é um ambiente construído artificial, implicando impactos sobre o espaço natural, o assim chamado “meio ambiente”, este que quanto maior e mais complexa for a urbe possivelmente, maiores serão esses impactos.

 Verifica-se atualmente nas metrópoles um agravamento das condições de moradia das populações pobres – um processo de periferização do crescimento metropolitano, acompanhado de um aumento significativo nos índices de “favelização” – e um grau devastador de degradação ambiental provocado por loteamentos ilegais e ocupações sobre áreas protegidas.

 A significativa concentração da pobreza nas metrópoles brasileiras tem como expressão um espaço dual: de um lado, a cidade formal que concentra os investimentos públicos e de outro o seu contraponto absoluto, a cidade informal relegada dos benefícios equivalentes e que cresce exponencialmente na ilegalidade urbana. A precariedade e a ilegalidade são seus componentes genéricos e contribuem para a formação dos sistemas urbanos sem um escalonamento de suas variáveis.

 Em uma sociedade desigual como a sociedade brasileira é preciso considerar que as posições na qual os diferentes grupos ocupam na esfera de produção definirá sua responsabilidade na gestão da economia e do espaço, e que as esferas de influência as margens de manobras e as responsabilidades individuais dos diferentes grupos sociais são extremamente distintas. Ademais, uma vez que a posição de classes, o peso político dos indivíduos e os grupos sociais vinculam-se muito intimamente a ação reguladora do aparelho de Estado.

 A analise torna-se ainda mais concreta quando se considera que a degradação ambiental está associada não apenas à produção de riqueza, mas também a outra vertente do capitalismo: á pobreza. Assim, vale chamar a atenção para a relação de causa e efeito entre estas variáveis com a degradação ambiental ou mais amplamente, para o circulo vicioso da pobreza que leva a deteriorização do meio ambiente, que por sua vez está intimamente ligado a segregação sócio-espacial.

 Entendendo que o dilema da degradação ambiental é responsabilidade tanto das pessoas comuns como dos órgãos governamentais e dos diversos setores produtivos da economia, é importante que todos possam contribuir para diminuir o impacto negativo de suas ações ao meio ambiente, colaborando com diversas atitudes, constituindo formas de manejo que proporcionem a qualidade e possibilidade de vida não só para as gerações atuais, mas para as gerações que ainda estão por vir. Desta forma, esta pesquisa tem o intuito de analisar os avanços da degradação ambiental decorrentes da redução do sistema dunar na Área de Proteção Ambiental das Lagoas e Dunas do Abaeté, variando entre os anos 1976-2010, levando em consideração a influência da ação antrópica no processo de ocupação urbana.

Este trabalho visa analisar os avanços da degradação ambiental decorrentes da redução do sistema dunar na Área de Proteção Ambiental das Lagoas e Dunas do Abaeté entre os anos de 1976 a 2010, levando em consideração a influência da ação antrópica no processo de ocupação urbana.