Apresentação de Projeto de Pesquisa: DESENVOLVIMENTO DE ARGAMASSA COM CIMENTO GEOPOLIMÉRICO PARA REPARO ESTRUTURAL

Local:
Sala de Reunião do Departamento de Construção e Estruturas

Data :
12/17/2015 - 14:00

Resumo:

A quantidade de resíduo gerado nas indústrias tem preocupado os cientistas em relação ao seu descarte e um maior consumo energético na produção. Somente a indústria de petróleo durante o processo de craqueamento catalítico produz quantidades em torno de 400 mil toneladas /ano no mundo de resíduo catalítico (Ecat), tornando um problema nas refinarias. Por outro lado, a indústria cimentícea contribui com 5 a 7% de emissão de CO 2 na atmosfera, sendo que no Brasil aproximadamente são gerados cerca de 0,67 toneladas de CO 2 por cada tonelada de cimento produzido. Dentro deste contexto, os resíduos industriais que contém aluminossilicatos têm se tornados precursores na produção de cimentos geopoliméricos que são compatíveis com o cimento Portland, porém precisam de baixo consumo de energia e contribui para a redução da emissão de CO 2 na atmosfera. Contudo, esta pesquisa busca desenvolver uma argamassa para reparo estrutural utilizando um cimento geopolimérico a base de Ecat ativado por solução alcalina de hidróxido de sódio (NaOH) e silicato de sódio (Na 2 SiO 3 ). Para tanto, primeiramente será realizado um estudo da moagem do Ecat, tal como sua caracterização através de ensaios físico-químico-mineralógico; as amostras geopoliméricas produzidas serão caracterizadas por ensaios de fluorescência de raios X (FRX), difração de raios X (DRX), microscopia eletrônica de varredura (MEV), espectrometria no infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), análise termogravimétrica (TGA), análises térmicas, resistência à compressão axial e durabilidade. Além destes ensaios, serão estudadas a durabilidade e aplicação do geopolímero desenvolvido em argamassa de reparo. Portanto, espera-se que o cimento geopolimérico tenha características suficientes para serem aplicadas na construção civil.